Por onde ando?

Após três meses sem postar a cada dia me sinto mais na obrigação de dizer pra vocês que não morri e nem a ideia do #onegameamonth morreu. Muita gente tem me perguntado, desistiu? Bom está na hora de dizer o que anda fazendo. Nesse post vou resumir na forma de bullets, mas praticamente cada ponto merece (ou pelo menos alguns) necessitam um post para explicar. Tenhamos fé!

  • O tema de abril foi primavera. Criei o conceito de um art game, um memento mori chamado Enjoy Life! Segui o método, mas fazendo tudo no rabisco, tudo na forma analógica. Programei e tive feedback de alguns amigos. Precisa de reformulações, voltou pra prancheta;
  • O tema de maio retomei em julho com auxílio do meu aluno Tobias Ulrich. O tema foi crescimento e conversando notamos nosso interesse em desenvolver um game for change para conscientizar sobre o abandono dos animais. O game concept está prontinho e foi usado o método para explicar para o Tobias como aplicá-lo;
  • Junho o tema foi jogo educativo. Acabei ficando somente na premissa de um aplicação “gamificada” para iPad para ser usada com crianças de três anos. Fiz o documento com desafios, validei, esbocei telas, mas não prototipei;
  • Julho o tema foi metal. Também fiz só uma premissa, algumas rápidas anotações de um jogo totalmente politicamente incorreto inspirado no Hotline Miami e o filme Um Dia de Fúria. Um homem paranoico, um dia surta e sai matando todo mundo.  A ideia é sangue por todo lado! A principal influência musical nesse caso além do óbvio Paranoid do Black Sabbath pensei naquele clima industrial metal do Marylin Manson, tipo The Beatiful People.
  • Agosto é filosofia tenho a premissa, falta redigir o conceito de um game baseado nos conceitos de Jean Baudrillard, simulacro, simulação, sociedade do espetáculo e o sistema dos objetos.
  • Estou fazendo um curso online no Skillshare sobre a criação de card games e boardgames. Meu projeto é o The Shadowlockers (ideia de janeiro).  É um momento para revisar e adiantar a escrita das regras.
  • O método está sendo usado com minha orientanda Mary Campos para criação de um jogo paradidático de ensino de regras ortográficas para crianças.
  • Também estou usando o método com minha turma de Projeto de Jogos: Motores de Jogos. Sete grupos estão criando conceitos de jogos baseando-se nesse método. Além disso, toda a disciplina foi reformulada considerando este contexto de agilidade, evitar desperdício e promover a inovação.

Pretendo participar da Ludem Dare #27 no final de semana 23/08 a 25/08 no formato solo. Depois compartilho com vocês a experiência.

Bem por enquanto é isso.  Até mais!

Anúncios